Dia Sem Compras


Divagante: (Carta II) Morro sem pecado by D. Graça
novembro 30, 2011, 9:30 pm
Filed under: Sem categoria | Tags:

Decobri um pedaço desse lugar, que só pude conhecer de longe e no plano da imaginação. Fomos subindo e pegando trilhas, andando sem limitar muito a caminhada, sem pôr muitos contornos na serra.

Ficamos ali cercados pelos contrastes verdes e avermelhados. O verde que me insulta e me convida à selvageria que palpita num lugar escondido do meu coração, uma mescla de desejo e repulsa diante das coisas civilizadas. O vermelho ali casado, aquele mesmo velho vermelho das minerações, da terra exposta pelo sacode das escavadeiras e dinamites, vermelho de velhas bandeiras que tu e eu conhecemos. Fomos catando uma ou outra pedrinha de minério (ferro!?) que encontrávamos na superfície, e eu ficava me questionando, a-bis-ma-do, se aquilo era de fato ferro, assim, achado no chão. Depois, descemos e imergimos no cinzento de novo. Parceiro meu, nesse embalo maluco, evoco Manoel de Barros para lhe fazer ilustração de como tenho vivido, sem perceber ou premeditar algum estilo de viver: “Sou livre para o silêncio das formas e das cores“.

Fiz do mesmo jeito que costumo fazer nas minhas andanças: suave, tranqüilo – experimentando a sensação dos gigantes. E, o que mais me importa, fiz sem dever nada a ninguém.

Com saudades.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: